Arquivo

Home » » Minha trajetória e as lições aprendidas

Minha trajetória e as lições aprendidas


Estratégia Concursos – Abraao Pereira
13 de abr de 2017 15:03

Olá pessoal, sou Abraão Pereira, Auditor Fiscal da Receita Estadual de São Paulo (ICMS-SP) e coach do Estratégia Concursos.


Hoje vou falar um pouco da minha trajetória até a aprovação, mas tentarei fazer isso de uma maneira um pouco diferente. Todos já viram um filme de Will Smith chamado "A procura da felicidade"? Acredito que sim! E quem não viu, por favor, trate de assistir, porque é um filme que, dada as devidas proporções, contextualiza muitos dos sentimentos vividos numa trajetória de estudos até a aprovação. Enfim, no filme citado, o personagem principal conta a sua história, dando títulos aos momentos vividos. Vou tentar algo semelhante, pontuando alguns momentos e lições aprendidas. Vamos lá!
Eu entrei no serviço público relativamente cedo, aos 19 anos, quando passei no concurso pra Técnico do TJ-BA em 2006, durante o meu primeiro semestre de faculdade de Engenharia Mecânica. Resolvi fazer esse concurso porque queria receber algum salário para não depender tanto de meus pais e, na época, esse cargo era muito pouco visado e o nível da concorrência não se compara ao estágio atual, de forma que nem considero esse como o momento de início da minha vida de concurseiro. Após tomar posse em 2007, fiquei 4 anos trabalhando no TJ e cursando faculdade até que, em 2011, quando me formei, resolvi tirar uma licença não remunerada e me aventurar na iniciativa privada, como engenheiro. Trabalhei por 4 meses numa indústria de bebidas e foi tempo suficiente para perceber que não era aquela vida que eu queria ter para mim. Nesse ponto acho que não preciso nem entrar em detalhes, afinal, muito provavelmente, os que estão atuando, ou já atuaram, iniciativa privada, e agora estão aqui lendo esse depoimento, devem ter motivos muito parecidos com os que eu tive.
Voltando à minha história, pedi demissão e voltei para o TJ pensando em começar a estudar para outro concurso, afinal lá eu só trabalhava 6 horas por dia, o que me possibilitava conciliar, com mais facilidade, o trabalho e os estudos. Foram alguns meses de indecisão até que, em setembro de 2011, decidi iniciar meus estudos, e, nesse ponto, começou minha trajetória no mundo dos concursos.


1) As dificuldades dos primeiros passos
Muita gente fala que o mais difícil é dar o primeiro passo no mundo dos concursos públicos, mas não é! Normalmente quando estamos relativamente insatisfeitos com nossa situação e iniciamos um processo de mudança, o início é realmente empolgante. Quando resolvi iniciar os estudos pra ser Auditor Fiscal, estava muito animado, afinal a perspectiva de mudança de vida, de salário e de cargo me deixavam muito empolgados. O problema é que no início não temos muita noção do que está por vir! A medida que você percebe a quantidade de matérias que se tem que estudar, o grau de aprofundamento em cada uma e o número de concorrentes estudando, bate um desânimo enorme. É como correr! Quando você decide que vai ao parque correr, por exemplo, 5 km, você fica animado! Coloca a roupa de corrida, calça o tênis, prepara a playlist no celular, liga o relógio ou aplicativo de corrida e começa. Depois de dar os primeiros passos, você começa a perceber que aqueles 5 km que você imaginava correr, não serão tão fáceis assim e, quase que instantaneamente, já passa pela sua cabeça desistir da corrida. São esses "segundos passos" que definem o rumo de toda sua corrida, ou de toda a sua trajetória de estudos! Deve-se então vencer aquela vontade de desistir, manter o foco e não se deixar impressionar pela dificuldade do caminho que vem pela frente. Dizem que quem corre 2 km, corre 5 km! E é bem por aí mesmo! Vença esse segundo momento (esses dois quilômetros iniciais de sua trajetória de estudos) que você vai sim entrar no ritmo, ganhar confiança e alcançar seu objetivo. Ler depoimentos e conhecer pessoas aprovadas ajuda muito nessas horas. É importante também manter por perto apenas aqueles que acreditam em você!


2) Adequar sua vida aos estudos
Como disse anteriormente, o início da preparação para um concurso público é bem empolgante, porém os passos seguintes são os mais difíceis de dar, então, criar uma rotina de estudos foi bem complicado pra mim. O que aconteceu é que, naqueles "2 km iniciais", eu estava ainda tendendo a desistir. Estava com a vida um pouco confortável e não via tanto sentido em dispender todo aquele esforço naquele momento (falo um pouco mais sobre essa questão no artigo intitulado "O parto da aprovação: transformando adversidades em motivação). Qual era então minha reação inconsciente? Arranjava sempre um pretexto pra não estudar! Na minha concepção eu deveria encaixar meus estudos à minha rotina, porém esse foi um dos maiores erros que cometi nessa fase inicial! Como assim? Eu simplesmente mantive minha rotina diária exatamente como ela estava e saí tentando encaixar os estudos nas lacunas. Não estudava porque tinha academia, porque tinha médico marcado, porque era dia de faxina em casa, porque minha mãe me pediu ajuda para resolver algum problema, porque tinha que cortar o cabelo, porque era aniversário de um amigo, porque era dia de jogo da Champions League. Isso era terrível, pois tinha a sensação de que não estava saindo do lugar. Em determinado momento, depois de ler muitos depoimentos e receber orientação de colegas mais maduros no estudo, percebi que deveria, na verdade, fazer o oposto. Ao invés de adequar os estudos à minha rotina, eu deveria adequar minha rotina aos estudos! Estabeleci, então, um horário de estudos diário que se tornou intocável, ou seja, a partir daquele dia eu não fazia mais nada, além de estudar, naquele horário estabelecido. Ter uma rotina de estudos é fundamental para conseguir a tão sonhada aprovação, portanto apesar das diversas atividades que tenha que fazer, tente tornar sagrado aquele horário e evite quaisquer tipos de interferências.


3) Utilizar os materiais corretos
Bem, esse é um ponto muito relativo. Porque falo isso? Porque cada um tem uma forma de aprendizado e assimilação de conteúdo particular. Posso falar por mim. Quando comecei a estudar, peguei o edital de AFRFB, olhei as matérias, e saí comprando alguns livros. Ta aí outro grande erro que cometi! Como assim? Estudar por livro é ruim? Não que seja ruim! Mas pra mim, iniciar com livros foi muito difícil. A linguagem dos livros é mais densa, os conteúdos mais extensos, os textos mais prolixos e, pra mim que não estava nem um pouco acostumado com o "juridiquês", foi muito complicado. Eu lia, lia, lia, e tinha a sensação de não estar aprendendo nada. Isso me fez pensar em desistir algumas vezes e esse erro na escolha de material, no meu caso, se deu por falta de orientação. Na época não conhecia esse serviço de coach, mas se tivesse tido um coach, com certeza, teria economizado muito tempo e o dinheiro dos livros. Sem querer fazer propaganda, mas já fazendo, tudo mudou quando conheci um colega num curso presencial que me indicou os materiais do Estratégia! A linguagem era muito mais simples e direta, os assuntos eram esquematizados, a abordagem era exatamente àquela cobrada em prova e a quantidade de exercícios resolvidos ajudava muito a fixar conteúdo. Adotei então os cursos em PDF como meu material de estudos e, com eles, fui até o fim.


4) A volta da motivação
Lembra da motivação do início da qual eu falei, da ideia de ser um auditor, de ser aprovado, de receber um salário alto? Lembra que disse que ela tende a cair nos "2 km iniciais"? Então, depois de criar uma rotina organizada de estudos, e começar a estudar pelos materiais corretos, você irá começar a perceber claramente sua evolução. As questões, que antes eram impossíveis de se resolver, se tornam "resolvíveis". Os termos jurídicos e fórmulas de contabilidade ou economia que pareciam grego se tornam legíveis! Enfim, seu raciocínio muda e você começa a entender tudo de forma mais clara e, nessa hora, a motivação começa a aparecer novamente, pois agora a situação é outra. Agora você está aprendendo! Agora você está evoluindo! Está caminhando e se aproximando de sua aprovação. É importante perceber a sua evolução a cada dia para que essa sensação de aprendizado contínuo nunca acabe!


5) Aprender a lidar com as derrotas
Essa talvez seja a lição mais difícil de aprender! Ninguém gosta de perder e é praticamente impossível conseguir ser aprovado em um concurso de grande porte sem perder em alguns outros pelo caminho. Na verdade, perder um concurso do qual você não estudou praticamente nada, aquele concurso do qual você caiu de paraquedas, é normal e lidar com essa perda é bem tranquilo. Agora quando você estuda muito, abdica de praticamente tudo pra se preparar para aquela prova e não consegue atingir seu objetivo é MUITO COMPLICADO. Pra mim, o mais difícil é você encarar as pessoas que estão acompanhando seus estudos e estão torcendo por você. No meu caso, eu estava na posição 520 na primeira fase de Analista Tributário da Receita Federal (eram 700 vagas) e cai para 850 após a prova discursiva. Por mais que falassem q eu era excedente e que seria chamado (e realmente fui nomeado posteriormente), na época, não havia certeza alguma disso e, pra mim, tinha sido uma derrota enorme. Só eu sei a dificuldade que foi telefonar para minha namorada, que na época estava grávida, e falar pra ela que não tinha conseguido. Foi muito difícil também encarar minha mãe e minha irmã e dizer que eu estava com a aprovação nas mãos e deixei escapar na segunda fase. Enfim, a derrota é muito difícil, mas faz parte da vida de todos que estudam pra concurso e, nessas horas, não existe receita mágica para se recuperar! Deve-se apoiar no que você mais ama e no que mais te motiva, levantar a cabeça, analisar os erros e seguir em frente!


6) A paciência é uma virtude
PACIÊNCIA!! Essa é uma das principais características que um concurseiro deve ter. Podem acreditar que, tão importante quanto a determinação ou a disciplina, é a paciência. Quando se faz um sacrifício muito grande, como é estudar pra concurso, é natural que as pessoas esperem resultados. O problema é que os resultados demoram de aparecer! Imaginem só sacrificar praticamente todo o seu tempo livre, parar de sair com a namorada, com amigos, enfim, mudar completamente sua vida e não saber até quando aquele sacrifício todo vai ser necessário. É muito comum as pessoas desistirem no meio do caminho, pois não conseguem manter aquela vida de estudos por muito tempo e esperam que os resultados surjam muito rápido, aconteceu inclusive com amigos e colegas de curso. Mas não tem pra onde correr! Tem que ter muita paciência e acreditar que sua hora vai chegar. Tenta se tranquilizar, mantém o foco, arranja sempre um tempinho pra relaxar um pouco e continua estudando, sempre com muita paciência. Tenha certeza que a aprovação, para os que não desistem, é só questão de tempo!


7) Aprender a gostar do que faz
Eu sei que muitos sonham em fazer aquilo que gostam para ganhar dinheiro. Acho que alguns poucos até conseguem viver daquilo que realmente gostam de fazer, mas durante esse tempo de estudos aprendi que a vida pode te colocar em inúmeros caminhos diferentes daqueles que imaginávamos no início e que, ao cair em um caminho diferente, devemos nos adaptar. Eu quando entrei na faculdade de engenharia sonhava em trabalhar em uma multinacional e viver viajando ou trabalhando no exterior e, por escolhas que fiz no decorrer da vida, acabei me encontrando no caminho dos concursos. No começo foi bem difícil, mas, acreditem, eu aprendi a gostar de estudar. Aprendi a gostar de direito, de economia, de contabilidade, de fazer prova, enfim, acabei gostando dessa vida de concurseiro. Depois de aprovado no ICMS-SP, minha irmã resolveu começar a estudar pra concurso também (hoje ela já foi aprovada em Analista do TJ), e eu comecei a orientá-la, fazendo uma espécie de trabalho de coach com ela. Durante as orientações, vendo ela ali, estudando diariamente, senti uma falta enorme da minha rotina de estudos. Esse mundo dos concursos, pra mim, se tornou um vício. Não é a toa que estou voltando pra ele, só que agora como coach! O segredo da felicidade, não é fazer o que gosta, mas sim aprender a gostar do que faz!


8) O momento da aprovação
Essa é a melhor parte! Voltando pro filme "A procura da felicidade", tem um momento em que o personagem de Will Smith, depois de passar pelos momentos mais difíceis da vida dele, recebe a notícia de que havia sido aprovado no processo seletivo da empresa, da qual participava. Esse momento da vida dele, ele intitula de "FELICIDADE"! Essa cena resume perfeitamente o momento da aprovação! Apesar de terem sinônimos diferentes no dicionário da língua portuguesa, "aprovação" e "felicidade" são sinônimos no dicionário do concurseiro. Alguns, ao ver o nome no Diário Oficial, explodem de emoção, gritam, pulam, choram. Minha reação foi um pouco diferente. Quando vi meu nome no Diário Oficial, me levantei, fui no banheiro, liguei a luz (porque era madrugada), e fui direto me olhar no espelho. Passei 10 minutos me olhando e lembrando de toda a caminhada até ali! Lembrei de tudo que havia abdicado, lembrei das horas intermináveis sentado na cadeira, lembrei das poucas horas de sono, lembrei dos momentos de fraqueza, das vezes que pensei em desistir, das derrotas, lembrei do meu filho que nasceu uma semana após a prova do ICMS-SP e no final pensei: "Eu consegui! Meu Deus, como valeu a pena! Valeu muito a pena!". A sensação é única! Você conquistar algo extremamente difícil através, única e exclusivamente, do seu esforço, não tem preço! Não existe preço que pague a sensação da aprovação! Felicidade! É isso! Não tem outra forma de descrever!


Bem, vou ficando por aqui, afinal já escrevi muito. Imagino que tenha sido um pouco cansativo, mas eu precisava descrever pra vocês certas emoções e situações vividas. Através da experiência que vivi, espero poder ajudar, cada um de vocês, na sua trajetória!


Grande abraço e bons estudos!
Abraão Pereira

The post Minha trajetória e as lições aprendidas appeared first on Estratégia Concursos.

0 comentários:

Postar um comentário